Um clássico por mês: seis motivos para ver O Poderoso Chefão

Esse ano eu pretendo fazer um projeto de mim para mim mesma. É simples, vou assistir pelo menos um filme clássico por mês. Serão doze filmes que eu vou escrever sobre aqui e vou dar seis motivos de por que assistir, mas provavelmente vou assistir mais que isso. Eu já os escolhi, mas é claro que isso não me impede de mudar no meio do caminho, e eles estão selecionados entre a minha lista pessoal, de referências em séries que eu vi e listas alheias, tem vários do século passado e pelo menos uns dois desse em que vivemos. E pra começar, eu escolhi o clássico dos clássicos, o topo de qualquer lista sobre melhores filmes de todos os tempos: O Poderoso Chefão.

Baseado no romance homônimo, de 1969, de Mario Puzo, ele segue a vida de Michael Corleone enquanto ele se transforma no implacável Don.

1 Francis Coppola e Mario Puzo criaram um roteiro tão complexo, com vários personagens importantes e muito bem desenvolvidos e amarram todas as pontas com uma perfeição, e só isso já é um motivo suficiente.

2 Tem diálogos tão incríveis, com frases geniais e memoráveis, como a dita por Vito Corleone e que Michael repetiu ao longo de toda trilogia “I’m going to make him an offer he can’t refuse.” (Eu vou fazer uma proposta que ele não poderá recusar).

3 Eles até podem ser mafiosos, mas sempre vão levar em conta os valores da família. A comida preparada pela esposa é tão importante quanto cumprir uma ordem do chefe da máfia.

4 A atuação de Marlon Brando como Don Vito Corleone é lendária. Com menos de 50 anos na época, ele conseguiu um perfeito senhor de idade já no fim da vida, através das bochechas inchadas, do olhar cansado, da sobrancelha cerrada e da voz rouca. O que lhe rendeu o Oscar de Melhor Ator.

5 E o que falar da atuação de Al Pacino? Coppola comprou uma verdadeira briga com os chefões da Paramount pra colocar ele como Michael Corleone, que no começo não quer se envolver nos negócios da família e se torna em uma pessoa extremamente confiante e respeitada. Al Pacino é muito competente na árdua tarefa de contracenar com um monstro sagrado como Marlon Brando

6 Venceu o Oscar de 1973 nas categorias de Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Filme. E ainda inspirou praticamente todos os filmes de gângster que vieram a seguir.

As três horas do primeiro filme são é pouco!

xoxo